49- Via tudo


Joelhos caídos sobre a terra úmida de rubro. O couro fustigado dos animais puxando multidões de mentiras. O caminhar era trôpego, mas não lhe davam nem chance para parar e descansar. Atrapalhava o ciclo! Atrapalhava tudo!

As bocas foram cuidadosamente tapadas por pontos cirúrgicos. As orelhas rodavam no ar, capitando os ínfimos ruídos que lhe mostravam que o mundo ainda era mundo. O rosto semi-escondia-se sob um capuz sujo, usado em tantos outros antes daqueles.

O estralar do castigo fazia as costas se curvarem. Os olhos se espremiam prevendo a dor, mas nenhum gemido escapava pelos pontos.

O agreste queimava-lhe as solas, até um cair. Os membros esticados, os dedos pulsando e sangrando.
O estralar. 

Era erguido. Colocado sobre as pernas. Atrapalha o ciclo! Atrapalha tudo!

O ciclo. A roda voltava a girar.

A frente de tudo aquilo, a justiça - de olhos tapados - via tudo. Mas seus olhos, não viam nada.

0 comentários :

Postar um comentário

Muito obrigada por lerem. Espero que tenham gostado. Então, que tal deixar um comentário com a sua opinião? Acha que ficou alguma coisa confusa? Gostou ou não gostou? É só comentar que eu adorarei ler :)

Se ainda não segue o blog, lembre-se que é bem rapidinho seguir. É só clicar em participar na caixinha de docinhos ali no canto. Siga também nas redes sociais. Beijocas e até mais!