41- Insanidade


Você acha que estou louco, mas agora tanto faz. Meus pés se equilibram na corda bamba. Um profundo abismo se estende sob mim. Embaixo não existe nada que apare minha queda. O buraco é fundo e eu só vejo sua escuridão infinita. 

Você acha que estou louco, mas minha imagem sempre aparece lá embaixo, como se eu me visse cair da borda do abismo. Como se fosse outra pessoa pendurada à centímetros do fim. Porém, a sensação de queda é verdadeira, mesmos meus pés estando fincados na terra infértil. 

Você acha que sou louco, quando meus pesadelos se tornam realidade e a realidade não passa de pesadelos. Minha cama sempre suada parece envolta por inúmeros braços, puxando-me para cada vez mais dentro do colchão de desamparo.

Você acha que sou louco, mesmo quando a escuridão se torna luz e coisas indesejadas pulam a minha frente, como coloridos bobos da corte, e me fazem gargalhar de minha própria dor.

Talvez esteja com a razão. Talvez eu esteja louco. Mas não sei mais. Apenas ando de mãos dadas. Meus dois melhores amigos. O juízo. A insânia.

0 comentários :

Postar um comentário

Muito obrigada por lerem. Espero que tenham gostado. Então, que tal deixar um comentário com a sua opinião? Acha que ficou alguma coisa confusa? Gostou ou não gostou? É só comentar que eu adorarei ler :)

Se ainda não segue o blog, lembre-se que é bem rapidinho seguir. É só clicar em participar na caixinha de docinhos ali no canto. Siga também nas redes sociais. Beijocas e até mais!