5- O Parque


O parque ficava no caminho para o centro da cidade. Era um lugar agradável naquela época do ano. Nem muito frio, nem muito quente. Um vento gosto e acolhedor bailava por entre os troncos das árvores e pintava o chão com folhas.

Muitas pessoas passavam por ali. Todos os tipos de pessoas. Sozinhas, em duplas, em grupos, com seus animais de estimação. Iam e vinham, alheias às outras. Eram como se não conseguissem ver os que andavam ao seu lado. Era como se o mundo em sua cabeça necessitasse de toda a atenção.

Eram muitas e realmente de todos os tipos. De todos os grupos sociais. Todas as cores de cabelo, pele e roupas. Cada uma era única e apenas naquilo que pareciam iguais. Todas seguiam suas vidas, sem notar que estavam sendo observadas.

Sempre foi divertido observar pessoas. Ver como elas caminhavam, ouvir suas vozes e identificar sotaques, notar o mais tênue sorriso no rosto de cada uma. Eram histórias ambulantes, caminhando de um lado para o outro, sem notar o tanto de segredos e mistérios que a pessoa ao lado também era.

Algumas caminhavam mais contidas, acelerando o passado, olhos fixos. Outras pareciam se divertir, pulando as folhas caídas, cantarolando alguma música que estivesse em sua cabeça.

Como cada uma daquelas criaturas podiam ser tão interessante? Como seu modo de andar, de vestir, de sonhar acordada poderia dizer tanto sobre alguém, mas ao mesmo tempo, não dizer nada? Como que cada pessoa podia ser tão complexa e fascinante, a ponto de ser parecida com muitas outras pessoas, mas no fundo, não serem nenhum pouco parecidas?

Elas sempre passavam por ali e davam vida ao parque. O som dos sapatos. O farfalhar das roupas. As músicas cantaroladas. O piscar dos olhos. O virar de cabeça. Os sorrisos. As lágrimas. Tudo. Tudo dava um ar mais especial ao lugar.

Mas, infelizmente talvez, a única que notava aquilo, não era nem ao menos uma pessoa. Era uma velha árvore, que se preparava para a mudança das estações.



[Mudei um pouco o foco. Normalmente adoro descrever a natureza e o quanto ela é única e preciosa, mas nem sempre me lembro que as pessoas também são (pelo menos não para fazer com frequência um texto falando sobre isso). É fascinante estudar as pessoas, ver como elas são diferentes e buscar aprender com cada uma. Porque cada uma é uma história, uma vida, e nunca é demais conhecer novas histórias e maneiras de contá-las. ~ A. S. Victorian]

2 comentários :

  1. Muito legal o texto, e desejo o sucesso para você
    Uma dica, achei um pouco repetitivo pois voce usou a mesma frase, e em relação ao texto, coloque mas emoção e imagine que voce realmente esta vivendo o que esta escrevendo, pois sera mas facil criar!

    Bjos
    www.misturaseaventuras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada :)
      Sim, eu tinha repetido a frase de propósito, mas só agora notei que ela quebrou o ritmo.

      Obrigada por comentar. Bjs

      Excluir

Muito obrigada por lerem. Espero que tenham gostado. Então, que tal deixar um comentário com a sua opinião? Acha que ficou alguma coisa confusa? Gostou ou não gostou? É só comentar que eu adorarei ler :)

Se ainda não segue o blog, lembre-se que é bem rapidinho seguir. É só clicar em participar na caixinha de docinhos ali no canto. Siga também nas redes sociais. Beijocas e até mais!