69- Raio de sol


O telefone tocou estridente. 

Tocou, tocou, tocou. 

Nem sinal de alguém se mover para atendê-lo. 

Tocou, tocou, tocou. 

A pessoa era insistente, trabalhava em uma telemarketing, precisa daquela ligação, era seus serviço. 

Insistir, insistir, insistir. 

Tocou, tocou, tocou. 

Nada

Na casa, o sol entrava pela janela e iluminava o chão de madeira corrida. Ali, garrafas, notas enroladas, telefones de pessoas estranhas, pó. uma mão caída.

0 comentários :

Postar um comentário

Muito obrigada por lerem. Espero que tenham gostado. Então, que tal deixar um comentário com a sua opinião? Acha que ficou alguma coisa confusa? Gostou ou não gostou? É só comentar que eu adorarei ler :)

Se ainda não segue o blog, lembre-se que é bem rapidinho seguir. É só clicar em participar na caixinha de docinhos ali no canto. Siga também nas redes sociais. Beijocas e até mais!