Resenha - Lua Azul e a Terra Paralela


Olá, pessoal! Ultimamente não estou acertando um dia de postagens, não é? Desculpa a dificuldade de manter a agenda, mas não estou conseguindo me dedicar tanto à leitura e demoro muito para acabar qualquer uma. Mas aqui está a resenha de um infanto-juvenil de uma autora aqui da minha cidade que eu queria ler há algum tempo. Espero que gostem! 


Lua Azul e a Terra Paralela - Leca Haine
Editora: Lua Azul
Páginas: 189
Nota: 3,5


A história de uma menina chamada Zelda, que leva uma vida normal até começar a receber alguns bilhetes misteriosos na caixa dos correios. O primeiro dos bilhetes diz – entre outras coisas - que “ um sinal surgirá no céu e, na praça dessa cidade, lhe será descortinado o véu”.
Uma vez na praça da cidade, Zelda olha para o céu e vê a lua azul, iluminando tudo ao redor. Ao reparar mais adiante, vê uma chave dourada a qual ela toca e atravessa um portal, indo parar numa outra dimensão: a Terra Paralela. Tem início aí uma aventura cheia de emoção e ação a cada capítulo!

Zelda é uma adolescente comum que mora com o pai e a irmã mais nova. Sua mãe, pelo que acreditava, morreu em seu último parto, deixando o pai sozinho com as duas crianças. Apenas isso a diferenciava das outras crianças normais, porque ela passou a vida inteira não sendo mais do que isso. Até receber uma carta suspeita com uma estranha ameaça escrita em versos.

Nossa protagonista então vê tudo o que acreditava sobre o passado de sua mãe ser colocado em cheque e passa a investigar a fundo o significado dos bilhetes e sua ligação com a progenitora. Os bilhetes eventualmente a fazem chegar em um novo universo, Constantyna, na Terra Paralela.

Lua Azul e a Terra Paralela é um livro infanto-juvenil, narrado em terceira pessoa, com o ponto de vista focado na Zelda. A linguagem é bem condizente ao público alvo, descomplicada e fluída. A autora não se prende muito nas descrições, mas mesmo assim o universo ficou bem construído.

O livro tem uma continuação e eu achei que a autora não soube dividir muito bem a história, já que não senti que a obra é completa em si só e precisa sim continuar a leitura para se ter um final. A parte fantástica da história também aparece lá pela metade da obra, o que eu achei que aconteceria antes, mas o suspense que a autora cria foi capaz de me manter presa às páginas.

Os personagens não são tão aprofundados, com a exceção da Zelda. Só achei que não foi muito condizente a mudança dela quando chegou no mundo invertido (o que a autora tratou como brincadeira não compreendida, mas pelas características das personagens eu não acredito que ela deixaria quieto depois de ter magoado alguém).

A leitura é rápida e o livro é cheio de mistério, misturado ao clima fantástico. Bastante indicado para crianças (até o início da adolescência, acredito), que com certeza irão se divertir com a leitura.

Sobre a edição: A diagramação é simples, mas atende ao seu propósito. No início de cada capítulo há uma imagem igual a da capa, o que eu achei que deu um charme ao livro. O que me incomodou foram alguns problemas com pontuações (principalmente travessões), mas tirando isso, não tiveram muitos outros na revisão.



Espero que tenham gostado da resenha! Não deixem de comentar com o que acharam, curtir a página no facebook e compartilhar com os amigos.

Beijinhos e até!


Leia Mais ››

Resenha - Natasha


Olá, pessoal! Hoje venho trazer mais uma resenha de livro nacional. Este foi uma antiga indicação que sempre me deixou curiosa e agora finalmente posso dizer a vocês o que achei. Espero que gostem da resenha. 

Ah! Só lembrando que o blog tem um perfil no Instagram, se puderem, não deixem de seguir lá e indicá-lo aos amigos. 

Mas agora vamos ao que interessa:


Natasha - Flávia Andrade
Editora: Deuses
Páginas: 147
Nota: 3,5

Natasha sabia bem o que estava vivendo, ela reconhecia o ar ao seu redor, conhecia cada pétala de uma flor, não precisava consultar um calendário para ter certeza de que uma estação já se encerrava e outra iniciava. E assim ia mudando no ritmo da natureza, proporcionalmente. Em nosso último dia de primavera, eu lhe perguntei qual era a sua flor favorita. Natasha me respondeu que amava o jardim, o conjunto, a colocação de espécies uma rente à outra, aquilo que lhe fazia pulsar o coração. Seus sentimentos afloravam quando se guarnecia de cores. E foi então que compreendi porque todos os dias ela me pedia para levá-la na floricultura de minha mãe. Era lá que ela se renovava e por esse mesmo motivo que eu era capaz de ver seu sorriso reluzindo como se fosse um anjo. Natasha pertencia àquilo. 

O livro é narrado em primeira pessoa por Paulo (PJ), anos depois de sua juventude. No futuro, ele relembra a época em que conheceu Natasha, o amor de sua vida, e conta para o leitor as estações de seu relacionamento, ao mesmas estações de sua ex-namorada. 

Em pouco mais de 140 páginas, descobrimos como ambos se conheceram, vimos os altos e baixos e sua separação. A linguagem é bastante poética, o que torna a leitura menos fluida e rápida, mas é necessário para prestar atenção em todas as partes sem se perder nas digressões de PJ. 

Prefiro não falar muito sobre a história, já que ela não é totalmente linear, PJ conta muitas cenas esparsadas que descrevem a essência de sua musa inspiradora, que aos poucos vão mostrando as mudanças de Natasha (ou Fox, como PJ a chama). 

Os personagens me lembraram bastante as figurinhas que encontramos nos livros de João Verde John Green, aqueles jovens que sempre tem uma fala inteligente na ponta da língua e podem citar quatrocentos trechos de livros só para dizer que, sei lá, não está a fim de sair de casa. 

Achei bastante interessante a escrita da Flávia, é clara a inspiração que ela teve em clássicos da literatura romântica, o que tornou sua escrita algo poético, ao mesmo tempo que me fez detestar o PJ. 

Não que ele seja uma péssima pessoa, mas eu não sou muito romântica, e Paulo é tão o contrário de mim que seu sentimento chega quase a ser trágico. E o próprio personagem diz em alguma parte da história que muitos leitores não irão gostar dele por ser muito dramático e romântico, e, bem, eu não queria, mas me incluí nesse grupo. PJ é daquele tipo de pessoa que acha que só vai encontrar um amor em sua vida e irá morrer caso perca-o, ele idealiza demais Natasha, o que também estragou um pouco a personagem para mim. 

Mas claro, isso é uma opinião bem pessoal e com certeza muitos outros leitores irão gostar pelos motivos que me desagradaram. 

O livro é indicado para quem gosta desses personagens românticos e uma linguagem mais poética, não sei se quem não está acostumado com o estilo da escrita irá gostar, já que isso dificulta um pouco a fluidez da leitura, mas sempre é bom conhecer novos autores, não é mesmo? 

Sobre a edição: Eu particularmente não gosto muito das capas da Editora Deuses e essa achei uma das piores. No interior, a diagramação ficou boa, simples, mas que atende ao seu propósito. Que me lembro, não encontrei erros significativos na revisão. 


Sobre a autora

Flávia Andrade é sul mato grossense. Desde cedo teve a literatura como escapatória e seus primeiros rascunhos foram feitos em mesas escolares, em páginas de cadernos de matemática. Apaixonada por Machado de Assis, Charles Bukowski, MPB, fizeram dela um conjunto de todas as figuras de linguagem. Dando vida a personagens que têm sua essência, entretanto, outros nomes, histórias e amores.

Espero que tenham gostado da resenha! Não deixe de comentar aqui embaixo e compartilhar com os amigos. 

Se ainda não seguem o blog, não deixem de fazê-lo, demora dois segundinhos ♥

Beijinhos e até!
Leia Mais ››

Resenha - As Aparências Enganam


Olá, pessoal! Desculpa o sumiço, fiquei doente essas semanas e não tive como atualizar aqui. Mas aqui estou, antes tarde do que nunca! O livro que irei resenhar hoje é um chick-lit que me comprou pela capa (sim, eu sou dessas). Agora vamos pela resenha:



As Aparências Enganam - Janaina Rico, Liana Cupini
Editora: Qualis
Páginas: 144
Nota: 2,5
Luiza era uma loira sensual, bem resolvida e determinada, enquanto Isabel era uma morena pacata, que sonhava em ser dona de casa e ter filhos.
Luiza se dedicava ao seu trabalho e era muito ambiciosa, já Isabel só pensava em agradar seu noivo e planejava uma família.
O destino as uniu e agora elas vão perceber que a felicidade pode morar ao lado. Será que a grama do vizinho é realmente mais verde? Será que uma mudança radical poderá consertar todos os erros do passado?
Se a vida te oferecesse a chance de mudar, você aceitaria? Essas duas amigas toparam, e em uma nova cidade, terão a chance de recomeçar! Um livro sensível, sobre as dores e as alegrias de ser mulher.


As Aparências Enganam traz para o leitor a história de Luiza e Isabel, duas amigas de adolescência que se reencontram em um momento inusitado, onde ambas estão "fugindo" de suas realidades e buscando um tempo longe para conseguirem voltar aos eixos. 

Nossa história é narrada em primeira pessoa, intercalando partes narradas pela Isabel e partes narradas pela Luiza. Não temos muita descrição no decorrer das páginas, acredito que seja por conta do gênero, e as autoras focam bastante nos diálogos e na narração. Isso torna a leitura mais dinâmica e rápida e o livro que já é curtinho acaba em um estalar de dedos. 

As protagonistas são divertidas, bem aquelas que buscamos encontrar quando lemos algum chick-lit, mas confesso que não consegui me identificar com nenhuma delas, o que tornou a leitura menos proveitosa. Isso foi uma coisa bem pessoal, já que eu vejo o mundo de forma diferente das duas e muitas das ações delas eu totalmente repúdio. Mas a linguagem continua sendo divertida e boa para passar o tempo.

Agora o que mais me incomodou na leitura (e o motivo de ter dado uma nota baixa) foi a forma como os fatos se desenvolvem. Não achei muito crível os acontecimentos, os "segredos" e como as protagonistas evoluíram. Não sei se essa foi a intenção das autoras, mas tem partes que parecem tão impossíveis ou sem motivos que só me deixaram menos interessada pelo final. Senti como se as autoras não tivessem planejado a trama desde o primeiro momento e colocado algumas declarações só no fim para se tornar uma grande revelação, mas estas não se ligando com o que foi mostrado na história. É difícil acreditar em uma personagem que no fim se mostra outra pessoa, sendo que ela está narrando a história e o leitor está praticamente DENTRO DA CABEÇA DELA

Mas a leitura foi boa para passar o tempo, além de bem rapidinha. Acho que quem gosta do gênero irá aproveitar mais do que eu, já que chick-lit não está lá em cima da minha lista de gêneros favoritos. 

Sobre a edição: A capa é uma gracinha, como vocês devem ter notado. Adorei a ilustração e ela se encaixa perfeitamente à história. A fonte escolhida para o miolo não é uma das minhas favoritas, mas torna a leitura mais fácil. Acho que faltou uma revisão mais detalhada, já que achei muitos errinhos que poderiam ter sido corrigidos com uma breve passada de olhos. 

Espero que tenham gostado da resenha! Já conheciam o livro ou já leram alguma coisa das autoras? Comentem aí embaixo!

Leia Mais ››

Resenha - O Sol é Para Todos


O Sol é Para Todos é um daqueles livros que você provavelmente vai encontrar em todas as listas de "livros que você tem que ler antes de morrer". Ganhei meu exemplar de presente há algum tempo e só depois de tempos que consegui sentar para lê-lo. Espero que gostem da resenha.



O Sol é Para Todos - Harper Lee
Editora: José Olympio
Páginas: 364
Nota: 5

Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça.
O sol é para todos, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.

O Sol é Para Todos (To Kill a Mockingbird, no original), é narrado em primeira pessoa por Scout, uma garotinha de seis anos de idade que mora em uma pequena cidade onde todos se conhecem e a "ordem" das coisas é mantida. Scout mora com seu irmão, Jem, e seu pai, Atticus. Atticus tem uma forma diferente de ver as pessoas e, por mais que saiba que isso influenciará de forma negativa em sua imagem, decide aceitar defender o processo de um negro acusado de estuprar a filha de um homem da região. 

A história é toda sob o ponto de vista da criança, Scout é bastante impressionável e o tipo de garota que não leva desaforo para casa e resolve tudo com os punhos. É bastante ingênua em certos momentos, por não ter conhecimento mesmo, mas sempre aprende com o pai e tenta seguir seus ensinamentos (às vezes, né?). E essa voz que conhece pouco faz com que o leitor vá aprendendo junto a ela como funcionam as coisas em sua cidade, como as classes são separadas e como cada pessoa deve se "portar" só porque as pessoas falaram que é assim. 

Confira mais fotos no Instagram!
A linguagem é bastante fluída, não chegando a ser infantil, mas também acessível para diversas idades. Anos passam no decorrer da narração e podemos ver o amadurecimento dos personagens, principalmente do Jem, que se torna adolescente e começa a se parecer em certo ponto com o pai. O cotidiano na obra está tão presente, em outras palavras, a ambientação foi tão bem construída que o leitor se vê inserido nos anos 30, morando na casa de Atticus e tentando entender como que as pessoas da época pensavam (mesmo que para nós seja um retrocesso em muitos pontos). 

Contudo, assustadoramente, muita coisa é ainda atual como o tema principal do racismo e até a questão do vizinho das crianças, Arthur Radley. E por isso o livro ainda hoje é tão importante (sério, ele se passa em 1930, como que tem coisa que se repete em pleno século XXI?)

Gostei bastante dos questionamentos da Scout, aqueles bem típicos da infância, que mostra que as crianças não nascem corrompidas, a sociedade que tem o poder de corrompê-las. No decorrer das páginas somos constantemente colocados a frente de questões sobre bem e mal, sobre a opinião da sociedade e se ela é o correto a se acreditar, etc. 

É um livro divertido, que não cansa em nenhum minuto, mas que passa uma mensagem valiosa e te faz ficar encarando o teto depois que acaba de ler. 

Indicado para todos os leitores e com certeza ainda é uma leitura indispensável.

Sobre a edição: Eu não conhecia esse selo da Record, mas já posso dizer que gostei muito. A capa tem um toque aveludado e é fácil de manipular. As páginas são amareladas, com uma diagramação simples, que permite uma leitura confortável. A única coisa que me incomodou é que em algumas partes do livro teve alguns problemas na impressão, seja porque ficou faltando pedações de palavras ou tinha manchinhas... Mas nada que tenha atrapalhado tanto. 


Sobre a autora

Harper Lee foi uma escritora estadunidense, filha de uma dona de casa e de um advogado. Seu primeiro livro, O Sol é Para todos (em inglês: To Kill A Mockingbird) publicado em 1960, foi um sucesso instantâneo, se tornando um dos maiores clássicos da literatura norte-americana moderna. A obra ganhou o prêmio Pulitzer e deu origem a um filme homônimo, vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado em 1962.
O romance é baseado livremente nas memórias familiares da autora, assim como em um evento ocorrido próximo a sua cidade natal em 1936, quando ela tinha 10 anos de idade. A obra foi eleita pelo Librarian Journal como o melhor romance do século XX e está na lista de 100 melhores livros feita pela BBC.

Espero que tenham gostado da resenha! Já conheciam o livro? Pretendem lê-lo ou já leram? Não esqueçam de comentar aqui embaixo.

Beijinhos e até! ♥
Leia Mais ››

Resenha - Ninho de Fogo - Coração de Escamas (Volume #2)



Olá, pessoal! Como vocês estão? 

Há pouco tempo trouxe para vocês a resenha de Ninho de Fogo - A Mestiça, primeiro livro da Trilogia Ninho de Fogo da Camila Deus Dará. Hoje vou falar um pouco sobre o que achei do segundo volume da série!

Se não leu a resenha do primeiro volume, pode conferi-la aqui


Coração de Escamas - Trilogia Ninho de Fogo - Camila Deus Dará
Editora: Pendragon
Páginas: 260
Nota: 3,5



O mundo que Melane conhecia não existe mais. Fadas, sereias e dragões fazem parte de sua realidade agora. A mestiça conseguiu libertar seu povo da maldição e da fome, mas o perigo ainda não acabou. Pedrus continua solto e somente ela poderá descobrir onde encontrá-lo. Esta parte da jornada não será fácil e Melane nem imagina todas as dificuldades e desafios que terá que enfrentar. Laços fortes de amizade, amor, traição, corações partidos, batalhas, sangue e morte, é isso que te espera nesta nova etapa de Ninho de Fogo!



Voltamos para Ninho de Fogo. Nesse segundo volume, vemos que todos estão em uma busca incansável por Pedrus, o mestiço responsável por colocar a maldição no reino, para acabar de uma vez por toda com a ameça sobre o reino. As buscas não tem sucesso a princípio e aos poucos vão se tornando mais pontuais. Melane é afastada pelo avô dessa confusão toda, já que temem que a herdeira possa se machucar de alguma forma. Mas claro que nossa protagonista não ia ficar sentada de braços cruzados e resolve investigar por si mesma. 

Todos os personagens do volume anterior estão nesse segundo e somos apresentados a uns poucos novos. Achei uma escolha acertada da autora não trazer tanto personagem novo para o segundo volume, para poder trabalhar os que já tem. 

A história continua sendo narrada em primeira pessoa, a grande parte dos capítulos por Melane. Nesse volume, Camila decidiu não colocar tantos capítulos narrados por Jack como no anterior, que foi algo que antes me incomodou um pouco. Mas aqui está bem melhor, já que os comentários do rapaz se tornam pontuais e em momentos chave. 

Assim como no primeiro livro, a história foca MUITO na vida amorosa de Melane e em suas escolhas, deixando a parte que, para mim, seria principal para o final. Pensei que nesse a autora fosse desenvolver melhor o que se referia a busca a Pedrus e toda a parte fantástica da história, mas não. Mesmo que tenha tido uma evolução do volume anterior, ainda senti que a trama se desvirtuou um pouco, deixando em segundo plano o que era a motivação para esse novo livro. 

Gostei bastante do personagem Sam, da ligação dele com a princesa e de certa forma até do ocorrido no final do livro. Acho que de todos, o personagem que menos gosto é David e até entendo a amizade dele com a Melane, mas queria que o personagem dele aparecesse mais e fosse melhor trabalhado para eu ter alguma empatia...

Como eu tinha esperado no final do volume 1, a autora trabalho mais em Coração de Escamas sobre as criaturas de Ninho de Fogo, trazendo algumas explicações e nos aproximando de espécies que parecia improvável no livro 1. 

Achei que Camila progrediu muito nesse segundo livro, mesmo que ainda sinta que tem que prender os olhos no que é o principal (ou é o relacionamento da Mel, ou é salvar o reino) e ver os pesos da subtrama.

Coração de Escamas foi uma leitura melhor do que do primeiro volume e espero que o nível continue aumentando para o terceiro. Continuou sendo uma leitura divertida e rápida, e o final me deixou curiosa para a terceira parte. Então podem esperar que em breve teremos resenha de Isso Não É Neve aqui no blog. 

Para quem se interessou e leu o primeiro volume, o segundo é mais do que recomendado, principalmente pela evolução da autora. E claro, dragões nunca perdem a graça. 


~


Espero que tenham gostado da resenha. Não deixem de comentar com o que acharam do livro, se já conheciam e se pretendem ler no futuro.

Beijinhos e até a próxima!

Leia Mais ››

Resenha - Conrad's Fate

Fonte
Chegamos ao dia em que irei resenhar um livro da minha série favorita da vida. The Chronicles of Chrestomanci (ou Os Mundos de Crestomanci no Brasil) é uma série infanto-juvenil não muito conhecida aqui nas terras tupiniquins, por mais que uma das obras da autora já tenha inspirado um filme do Studio Ghibli (O Castelo Animado). De todos os livros da série, apenas dois não foram traduzidos para o português, Conrad's Fate e The Pinhoe Egg, e se os livros traduzidos já são difíceis de encontrar, imagina os que tem que importar. Mas eu finalmente consegui completar minha coleção e agora falta apenas 1 livro para ler e acabar a leitura dos livros que me acompanharam durante toda a vida. 



Conrad's Fate - Diana Wynne Jones
Editora: Greenwillow
Páginas: 310 
Nota: 5

Someone at Stallery Mansion is changing the world. At first, only small details, but the changes get bigger and bigger. It's up to Conrad, a twelve-year-old with terrible karma who's just joined the mansion's staff, to find out who is behind it.
But he's not the only one snooping around. His fellow servant-in-training, Christopher Chant, is charming, confident, and from another world, with a mission of his own -- rescuing his friend, lost in an alternate Stallery Mansion. Can they save the day before Conrad's awful fate catches up with them?

O jovem Conrad mora em uma cidade onde volta e meia as coisas mudam sem explicação. Se ele está cozinhando ovos, por exemplo, quando uma mudança acontece ele se vê diante de um prato de bacon e panquecas, e por aí vai. Ele descobre então que tem um terrível carma e seu destino está ligado a alguém na Mansão Stallery (o lugar responsável por causar as mudanças). Então, ele é mandado para lá a fim de descobrir não só quem está causando as alterações, mas também a pessoa responsável por seu carma. 

Em sua missão, ele conhece Christopher, um mago de nove vidas que será o futuro Crestomanci*. Esse por sua vez também está em uma tarefa: encontrar sua amiga desaparecida. Juntos eles enfrentam o trabalho de aprendiz de mordomo, enquanto exploram a casa em suas horas vagas e aos poucos vão se tornando grandes amigos. 

A história é narrada em primeira pessoa, pelos olhos de Conrad. Essa escolha foi importante para criar o mistério ao redor dos personagens, já que Conrad não conhece muito bem ninguém e quem conhece, não tem 100% de certeza sobre quem são. Nosso protagonista não é a criatura mais inteligente do mundo, ele é bem manipulável e sabe muito pouco do universo mágico. Por isso se torna fácil para todos esconder suas verdadeiras intenções do pobre Conrad. Dessa forma, os personagens vão evoluindo aos poucos, junto com as descobertas do garoto. 

A ambientação da Diana está sempre no ponto. Ela não se aprofunda descrevendo seu universo fantástico, demorando-se ao explicar o que é diferente do nosso próprio, mas também não deixa de mostrar o que é importante. Vamos conhecendo o mundo aos poucos, pelas falas de personagens ou pensamentos do protagonista. Isso, pelo menos para mim, vai aproximando o leitor da história, já que muitas coisas são parecidas com o que temos em nosso próprio mundo e são raras as vezes que você se lembra que aquilo nunca poderia acontecer com sua vizinha ou você mesmo. 

E isso é um dos pontos que torna a Diana minha autora preferida. Ela trabalha tão bem o cotidiano em sua obra que a magia se torna quase tangível. Por mais que seus universos sejam incríveis, bem construídos e com uma surpresa a cada esquina, a sensação que fica ao final dos livros é que tudo aquilo é possível de acontecer na nossa realidade. 

Os personagens são interessantes e divertidos. O leitor não se aproxima tanto deles quanto do protagonista e de Christopher (que são os que mais aparecem durante a história), mas mesmo assim dá para criar uma simpatia com eles. São muitos personagens e a autora consegue dar a importância necessária para cada um, não sobrecarregando o leitor de informação que no final seria apenas tempo perdido. 

O final é cheio de surpresas e todas as perguntas que o livro levanta são respondidas. Conrad's Fate com certeza é meu segundo livro favorito da série, empatado com As vidas de Christopher Chant. Acho que a única coisa que me incomodou um pouquinho foi a repetição de alguns nomes que aparecem na série, e que nenhum momento fala da coincidência**

É um livro que indico a qualquer pessoa viva que saiba ler, mesmo que seja um infanto-juvenil. Mal posso esperar para ler o último e já estou preparando o coração para chegar ao final da série.

Sobre a edição: Ela é simples, com papel bem fino e letras pequenas. Nesse volume tem dois livros da série, Conrad's Fate e The Pinhoe Egg. A capa é linda e por mais que a impressão seja econômica, não tenho nada do que reclamar. 

*Crestomanci é um contratado do governo, é um mago poderoso (senão o mais poderoso de todos) que tem como função cuidar das questões mágicas dos vários mundos. Durante a série, conhecemos 3 magos de nove vidas, o Crestomanci passado, o atual e o em treinamento. 

**A série não é escrita em ordem, cada livro é independente, por mais que tenha uma cronologia. Alguns personagens aparecem em certos livros em diversas fases de sua vida e tem alguma importância, mas normalmente seu passado não é explicado em cada volume, o que deixa o leitor a mercê de sua memória. Por isso nomes são importantes, e como a autora repete o nome Conrad e Chant, pensei que poderia ter alguma ligação entre os referidos, mas são apenas coincidências (ou a autora que não queria ser mais criativa rsrs). 


Sobre a autora
Diana Wynne Jones nasceu em Londres no dia 16 de agosto de 1934, filha de Marjorie e Richard Aneurin Jones, ambos professores. Quando foi anunciada a Segunda Guerra Mundial, às vésperas de seu quinto aniversário, Diana foi levada à casa dos avós no País de Gales e dali em diante se mudou várias vezes, incluindo períodos em Coniston Water, York, voltando a Londres e se fixando em Essex. Cursou Inglês em Oxford, onde teve aulas com C. S. Lewis (autor de Crônicas de Nárnia) e J. R. R. Tolkien (autor de O Senhor dos Anéis), formando-se em 1956.
Parte de sua série de livros Os Mundos de Crestomanci e da série de O Castelo Animado foram publicados em português no Brasil, porém grande parte de sua obra (que soma mais de quarenta livros) ainda não tem versões em português.

Chegamos ao fim de mais uma resenha. O que acharam do livro? Já conheciam algo da autora? Comentem aqui embaixo!

Beijinhos e até a próxima ♥

Leia Mais ››

Resenha - Ninho de Fogo - A Mestiça (Volume #1)



Ah, dragões. Quem não os ama? Se você não os ama, pode se retirar daqui agora. Como vocês já devem saber, eu sou apaixonada por fantasia (e sim, eu vou repetir isso em todas as resenhas de livros de fantasia), e não tive como deixar passar quando vi o livro da Camila Deus Dará. Eu havia comprado o primeiro exemplar na outra editora, mas a autora mudou de casa editorial e eu tive que comprar o box da trilogia completa. Agora vamos ao que achei do primeiro volume. 


A Mestiça - Trilogia Ninho de Fogo - Camila Deus Dará
Editora: Pendragon
Páginas: 248
Nota: 3

Melane, uma garota de 16 anos que vive com a avó, descobre não apenas ser uma mestiça de bruxa e dragão, como também uma princesa em um mundo chamado Ninho de Fogo.
Com ajuda de seu fiel guardião David, e o pequeno Jack, o garotinho de quase 300 anos de idade, ela volta para sua terra natal, descobrindo que o lugar está se despedaçando.
Em um mundo de dragões, fadas e sereias, Melane terá que ser forte para a batalha que colocará em risco o mundo onde nasceu, enquanto tenta descobrir a quem pertence seu coração.
Uma mistura de romance, aventura, guerra e salvação é o que te espera em Ninho de Fogo!

Em um dia comum de sua vida, ou nem tão comum assim, Melane de repente se vê fugindo de dragões nas costas de seu melhor amigo David, que, para surpresa de nossa protagonista, também tem a habilidade de se transformar em um dragão. Nessa fuga, ela descobre que na verdade é a princesa de um reino em outro mundo, chamado Ninho de Fogo, e que precisa voltar para casa. Descobre também que seu avô, o rei do lugar, tornou-se um tirano e está destruindo o reino e pretende matar a própria neta. Coisas bem cotidianas.

A Mestiça é narrado em primeira pessoa, em grande parte pela Melane, mas com alguns capítulos pelo ponto de vista do Jack. Acho que eu particularmente preferia que fosse narrado só pela Mel, já que não achei que os capítulos do garoto contribuíram tanto para a história. Mas foi interessante ler sobre os sentimentos dele, já que não sabemos todos os lados com um narrador personagem apenas. 

Nesse primeiro volume encontramos aquela fórmula que conhecemos muito bem: o Monomito. Melane se vê diante da missão de salvar seu povo, enfrentando seu avô. Como toda situação "você é um bruxo, Harry", a protagonista leva seu tempo para se acostumar com a ideia de sua descendência, mas assim que vê a situação que encontra as terras do reino, resolve deixar de lado suas inseguranças e partir para a ação.  


A ambientação foi bem construída, por mais que eu pense que a autora poderia se demorar mais nela, por se tratar de um novo mundo e isso propiciar uma maior imersão. As descrições não são cansativas, assim como a linguagem  da obra, que se adéqua ao público alvo. Achei porém a história um pouco corrida, o que não permitiu que os personagens fossem tão bem trabalhados quanto eu esperava. Suas mudanças são rápidas e nem sempre por algum motivo muito claro. A autora acrescentou também algumas cenas que não se enquadraram tão bem na história, provavelmente por não terem o tempo necessário para serem desenvolvidas. 

Meu desenho da Melane :)
Achei bem interessante o mundo de dragões, mesmo não sendo a única espécie, é a principal na obra. Espero que nos outros dois volumes a autora fale mais sobre o universo, trazendo ainda mais criaturas e dando importância a elas na trama. 

Por mais que sinta que a autora precise melhorar um pouco mais, amadurecer sua escrita e construção, achei divertida a leitura, uma boa história para passar o tempo. A escrita é bem levinha, com personagens adolescentes que correspondem à sua faixa etária. 

O final do livro me deixou muito curiosa e não posso esperar para descobrir como Melane irá resolver tudo nos próximos volumes. 

A edição da Editora Pendragon ficou uma gracinha, no box, as lombadas dos três volumes juntas formam uma imagem única, que fica linda na estante. A diagramação ficou no ponto, sem tantos detalhes quanto a edição da outra editora, mas também não pecou em nada. O livro possui um mapa de Ninho de Fogo nas primeiras páginas, o que é sempre muito bem-vindo em livros do gênero. A única coisa que não gostei tanto foi a forma que as folhas do livro foram coladas, por mais que a capa seja molinha e dê para dobrar, a forma como as folhas estão em certas partes não permite que o livro seja muito aberto. 

A Mestiça é indicado para aqueles leitores que gostam de fantasia e procuram um livro rapidinho, mas divertido para ler. 



Sobre a autora

Uma garota de 28 anos que adora moda e maquiagem ao mesmo tempo que Star Wars e Peter Pan.

Cresceu em uma família que vivia a base de jogos de vídeo game, filmes da locadora do posto de gasolina mais próximo e das histórias que o avô sempre contava. Acredita que todos esses fatos colaboraram para a escolha da sua profissão.

Aos 9 anos de idade descobriu o mundo mágico dos livros e, depois disso, surgiu uma vontade imensa de criar suas próprias histórias e dividi-las com o mundo.



Gostaram da resenha? Já leram o livro e acharam que eu deixei passar algo? Gostaram de conhecer mais sobre a obra? Não deixe de comentar!

Leia Mais ››